Mário Soares

Mário Soares

João Ferreira do Amaral,

Mário Soares foi a todos os títulos uma personagem excepcional no nosso tacanho e tradicionalmente medíocre meio político.

Excepcional em primeiro lugar porque liderou acções políticas ou movimentos de opinião que foram fundamentais na abertura dos caminhos que o país seguiu nos últimos cinquenta anos: a resistência não comunista à ditadura fascista, a difícil negociação da descolonização, a abertura ao mundo, a orientação do nosso regime democrático, a adesão à CEE. E tudo isto sem que afinal tivesse estado muito tempo no governo (uns cinco anos apenas). Mas foram anos cruciais a que se somaram dez anos de Presidente da República, em que, no âmbito das suas competências não deixou de aprofundar o caminho de solidificação do regime até aí prosseguido por Ramalho Eanes.

Mas excepcional também – talvez mesmo único em todo o panorama histórico da política portuguesa – pelo valor que atribuía à tolerância enquanto valor básico da democracia. Mário Soares odiava a perseguição política, quer a que as ditaduras exercem sobre os dissidentes quer a perseguição mais subtil dos ostracismos partidários ou dos julgamentos populares mediáticos. Lutou corajosamente, como era seu hábito, contra a intolerância. Esse combate valeu-lhe diatribes violentas num país que conviveu bem com as perseguições inquisitoriais e ditatoriais. Como sempre, não vergou e tornou-se, também aí um exemplo de defesa dos valores democráticos.

Lutou pelos seus ideais até ao fim. Ultimamente, quando o País se viu sujeito às políticas arrasadoras da Troika e enquanto o PS se atascava num colaboracionismo mole, Mário Soares liderou verdadeiramente a oposição a essas políticas. E sem dúvida que os historiadores futuros não deixarão de encontrar um forte nexo de causalidade entre a sua acção nesse período e a emergência da actual solução política.

Nem sempre concordei com ele, em particular no que respeita ao processo de integração europeia, sobre o qual tínhamos opiniões muito diferentes. Mas isso não me impediu de por ele criar uma admiração profunda e de reconhecer com gratidão o muito que com ele aprendi.

Por tudo isto e muito mais, obrigado Dr. Mário Soares!