Um fogo totalitário

Um fogo totalitário

Um fogo totalitário. Ardo numa onda de defesa de um Estado onde os fazedores de opinião, pagos para serem escutados, exigem a demissão da ministra com a tutela da protecção civil ainda antes de apagadas as últimas labaredas de um grande incêndio, porque não impediu nem sequer limitou o fogo que devastou milhares de hectares de floresta e matou seis dezenas de pessoas, que não foi bombeira e acorreu aos cercados, que não pôs a funcionar um sistema de comunicações de emergência, que plantou eucaliptos durante o século XX e pinheiros desde o século XIII, que arrancou carvalhos para construir naus nos séculos XV e XVI, que, por fim, não ordenou o território e não elaborou um cadastro da propriedade que nunca foi feito nos oito séculos de nacionalidade.

O mesmo conceito de Estado sem hierarquia, sem degraus, sem escalões intermédios, responsável por tudo o que acontece e não acontece leva os seus defensores a exigir a cabeça agora do Ministro da Defesa por causa roubo de armas num quartel, ainda antes de realizado o inventário, porque não estava de sentinela, porque não inspeccionou a rede de protecção, porque as leis de programação militar desde os anos oitenta do século passado não contemplam estas atividades, porque, provavelmente, nem sabia da existência dos paióis.

Presumo que os promotores deste tipo de reacção do dispare primeiro e pergunte depois e da chicana partidária de tiro ao alvo e de olhos fechados a cada ministro em cuja área de responsabilidade política ocorra um incidente, proporiam a demissão do ministro da Marinha (Lorde do Almirantado) em Inglaterra após o naufrágio do Titanic!

Na sociedade assim definida por estes pregadores da moral política e da organização das sociedades nada mais há que o Estado e, no Estado, que o governo. Não existem estruturas sociais, nem cidadãos, não há instituições nem organizações. Resta a demagogia e o correspondente populismo que advogam, uma caldeirada que eles mexeriam a seu bel-prazer.

Estou contra esta caldeirada porque ela é uma receita de cariz totalitário. Porque por detrás da aparente defesa da transparência política e responsabilização ministerial está uma ideologia defensora do Estado totalitário. Pois que, se aceito que cada ministro seja responsável por tudo, o reverso da medalha é que também tenho de aceitar que pode tudo! Ora eu não desejo viver num regime em que alguém possa tudo. Logo não posso responsabilizar ninguém por tudo!

Carlos Matos Gomes,  1 Julho 2017