Análise política e conversa de comadres

Análise política e conversa de comadres

A análise política devia ser uma ferramenta de análise de conteúdos e usada com a metodologia das ciências exatas. As análises políticas deveriam ser formuladas de forma metódica, evitando dados não-verificáveis, como intenções e palpites, o oposto de uma “Conversa de comadres à espera da morte”, um conto que li há uns tempos, em que um grupo de vizinhas murmura em ziguezague à volta da cama de uma outra que está a morrer.

As comadres falam sobre o passado da pobre mulher, rezam-lhe pela alma e pelos pecados reais e inventados, julgam-lhe as virtudes e as maldades, incluindo a recusa de morrer mais rápido, sugerem modos de dividir os bens, as ambições dos parentes, criticam as futuras cerimónias do enterro, descrevem o além, onde a sua alma se instalará, coçam-se, sussurram entre as falhas dos dentes… à espera da morte.

Os analistas políticos inventam intenções para as julgar, convocam a história, a psicologia e até os astros para obter resultados preestabelecidos, confundem economia doméstica com especulação bolsista, moral com racionalidade, força com repressão, perversidade com fina inteligência, teimosia com respeito pelos usos e costumes, meteorologia com punições dos deuses, analisam com o mesmo à vontade eleições, incêndios e inundações, relações internacionais e ensino pré-escolar, desporto e armamento. A frase mais reveladora da ausência de rigor na análise é a de que um dado actor político “apostou” numa determinada ação. O descaramento dos painéis de analistas reduz-se à aposta num dado cavalo, como nas corridas. Os analistas, em vez de, como as comadres do conto, esperarem a morte na má-língua, esperam que a audiência lhes preste atenção. Nos tempos iniciais da revolução existia um só educador do povo, Arnaldo de Matos, agora multiplicaram-se e surgem em rebanho ou em matilha.

A análise política devia descodificar o discurso político, em vez disso confunde-se com ele. Na mixórdia que nos é vendida como análise política, ou as conclusões não dependem dos dados do problema, ou os dados do problema são escolhidos para produzirem o resultado desejado. O cliente manda, neste caso o patrão que avençou os analistas. Toda esta mistificação, porque é de mistificação que se trata, surge embrulhada numa linguagem pretensamente científica, um “politiquês” que pretende fazer dos ouvintes crentes de abanar a cabeça e murmurar amens, como os fiéis das antigas missas em latim.

A análise política é uma actividade intelectualmente muito complexa? Não. Bastava que fosse, em primeiro lugar, um honesto exercício de lógica: Determinadas causas produzem determinados efeitos; e que fosse, em segundo lugar, um estudo objectivo de relações de força, aquilo que os estados-maiores militares designam por “análise do potencial relativo de combate”. De que forças dispõem os contendores? Em que condições (situação) vão travar os confrontos? Quem se encontra no terreno mais favorável? O que pretende cada uma das partes? O que propõe atingir? Quem é o seu inimigo principal? Quem são os seus aliados?

O resultado da análise política devia apresentar uma comparação de vantagens e inconvenientes, terminando com uma previsão objectiva de resultados. O analista político não é um juiz, nem um apostador, nem uma comadre, nem um Marques Mendes ou um Gomes Ferreira, os paradigmas da venda de banha de cobra como análise e comentário político, diria um cínico local. Devia ser alguém dotado de pensamento lógico, capaz de colocar um problema em equação e de ter, não só um saber estruturado, mas uma ética.

Experimentem aplicar estes fundamentos da análise política ao processo de decisão que levou Puigdemont a lançar-se no salto sem rede da aventura da proposta de independência da Catalunha, ou das twitadelas inconsequentes de Trump na Casa Branca sobre a Coreia do Norte, ou o Irão. Apliquem-na também às charlas de tantos “analistas políticos” que se apresentam nos jornais, rádio e TV aqui em Portugal como pirólogos quando há incêndios, comissários de polícia em época de manifestações, teólogos nos dias santos, engenheiros perante um desabamento, médicos, curandeiros, astrólogos, justiceiros de mata e esfola quando a vítima está indefesa. Às vezes tudo ao mesmo tempo.

Cito a frase de um autor certamente tão cético quanto eu e com muito maior sentido de humor: “a análise política é a arte e a ciência de administrar um circo a partir da jaula dos macacos”.

Carlos Matos Gomes, in “Medium” 16 de Outubro de 2017