MADRID, A EUROPA E A QUESTÃO CATALÃ

MADRID, A EUROPA E A QUESTÃO CATALÃ

Tem boas razões para celebrar, Mariano Rajoy.

Escudado numa Constituição aprovada num contexto político há muito ultrapassado e valendo-se da razão da força, o primeiro ministro espanhol impôs a administração directa de Madrid, prendeu os líderes independentistas, defenestrou os dirigentes eleitos da Catalunha e propõe-se assumir o controlo da televisão catalã.

Mais do que vergar o desafio independentista, Rajoy levou até ao fim a sanha de humilhar Puigdemont e com ele a própria Catalunha.

Estão agora por contabilizar os custos da vitória de Rajoy. Mesmo sem ter qualquer tradução política viável, o referendo do primeiro de Outubro constitui um triunfo simbólico para os defensores de uma Catalunha soberana. O independentismo catalão conta agora novas razões na memória da presença de 4000 agentes de segurança enviados por Madrid, das cargas policiais sobre votantes e manifestantes, dos presos políticos e do clima de repressão que se abateu sobre a Catalunha.

A questão catalã tem uma história longa e marcada por memórias mal saradas. No auge da crise, já sob a ameaça directa do “artigo 155”, Carles Puigdemont e outros lideres catalães prestaram tributo público Lluis Companys, um líder catalão executado por Franco no decorrer da guerra civil de 1936-39. Os fantasmas da guerra civil e dos 36 anos de franquismo ressurgiram muitas vezes no calor do confronto entre Madrid e Barcelona.

Rajoy propõe-se refazer o quadro político catalão decretando eleições antecipadas para Janeiro. Conta com uma presumida maioria de catalães que aplaudirão a intervenção de Madrid. Resta a incógnita dos efeitos deste episódio nos humores do eleitorado catalão.

A Europa, a Europa europeia, cumpriu um papel assinalável na crise catalã. Por mais que Bruxelas repetisse que se tratava de uma questão interna de Espanha, a Comissão Europeia encorajou Rajoy a arrumar prontamente a questão, dando mão livre ao chefe do Governo de Madrid e declarou desde logo que uma Catalunha independente não tinha lugar na Europa.

E enquanto Donald Tusk repetia que estava fora de causa qualquer mediação de Bruxelas, Jean-Claude Juncker dizia aos catalães que a Europa não estava disposta a aceitar mais um país independente no seu seio.

A mesma Europa que não hesitou em acolher a Croácia, com o genocídio da Krajina ainda bem fresco nas memórias. A mesma Europa que aplaudiu o bombardeamento da Sérvia por Milosevic ter enviado forças de segurança para reprimir os terroristas do UCK em nome de  argumentos “humanitários” descaradamente manipulados.

A mesma Europa que quando, em 2008, os irlandeses votaram “Não” ao tratado de Lisboa, não descansou enquanto não os obrigou a irem de novo às urnas e, sob pressões e ameaças diversas, a trocarem o “Não” pelo “Sim”

Para já, a ordem reina de novo na Catalunha.

Mas a questão terá que ser encarada de frente, mais tarde ou mais cedo. Uma revisão substancial da Constituição espanhola está já no horizonte. E a questão do estatuto da Catalunha, e provavelmente de outras regiões de Espanha com forte identidade política e cultural, e com velhos contenciosos com Grã-Castela, colocar-se-á doravante noutros termos.

Rajoy bem pode celebrar. Mas o chefe do Governo de Madrid pode arriscar-se a ficar na História como o homem que precipitou o fim da Espanha tal como a conhecemos hoje…

Carlos Santos Pereira