UM MUNDIAL DE ALTO RISCO

UM MUNDIAL DE ALTO RISCO

Concluída a fase de apuramento inicia-se uma fase de contagem descendente para o Mundial 2018 na Rússia que se anuncia plena de incógnitas e de riscos.

A realização da prova máxima do futebol mundial assume particular importância para a Rússia de Putin num momento de tensão e de confronto com o Ocidente. Se o desporto tem desde sempre uma vincada dimensão política, o Mundial 2018 assume uma evidente relevância estratégica.

Há 38 anos, em plena guerra-fria, a invasão soviética do Afeganistão  gerou uma fase de grande tensão nas relações leste-oeste. O bloco ocidental retaliou boicotando em bloco os Jogos Olímpicos de 1980 em Moscovo – e roubando assim grande parte do brilho a uma ocasião desportiva e política em que a URSS tanto jogava.

Os tempos são outros, dir-se-á. No actual quadro das relações entre a Rússia e o Ocidente, o Mundial de Moscovo não deixa ainda assim de representar um momento de alta tensão.

A confirmar-se a intenção americana de fornecer armas à Ucrânia, convidando assim Porochenko a resolver o problema do separatismo de Donetsk e Luhank por via das armas, é óbvio o risco de uma nova escalada de tensão, ou mesmo de um confronto directo entre os dispositivos bélicos concentrado pela NATO e pela Rússia no centro-leste da Europa.

Incidentes ou protestos graves da oposição nas eleições russas do próximo ano não deixariam de valer ao regime de Putin novas acusações de atropelos à democracia ou de violação das liberdades fundamentais e dos direitos humanos.

Seria decerto o bastante para envenenar ainda mais o clima de tensão entre o Ocidente e a Rússia e criar um clima de algum modo equivalente ao que precedeu em 1980 o boicote aos Jogos de Moscovo.

Um Mundial bem sucedido constituirá um momento de afirmação da Rússia  no plano internacional. Um atentado terrorista em plena competição ou mesmo desacatos mais graves entre adeptos bastariam para manchar gravemente a grande ocasião e transformar o Mundial da Rússia num fracasso humilhante.

Queira-se ou não, o Mundial da Rússia será uma grande ocasião política. E, nessa dimensão, um momento de alto risco.

Carlos Santos Pereira