Um fogo totalitário

Um fogo totalitário

Um fogo totalitário. Ardo numa onda de defesa de um Estado onde os fazedores de opinião, pagos para serem escutados, exigem a demissão da ministra com a tutela da protecção civil ainda antes de apagadas as últimas labaredas de um grande incêndio, porque não impediu nem sequer limitou o fogo que devastou milhares de hectares de floresta e matou seis dezenas de pessoas, que não foi bombeira e acorreu aos cercados, que não pôs a funcionar um sistema de comunicações de emergência, que plantou eucaliptos durante o século XX e pinheiros desde o século XIII, que arrancou carvalhos para construir naus nos séculos XV e XVI, que, por fim, não ordenou o território e não elaborou um cadastro da propriedade que nunca foi feito nos oito séculos de nacionalidade.

O mesmo conceito de Estado sem hierarquia, sem degraus, sem escalões intermédios, responsável por tudo o que acontece e não acontece leva os seus defensores a exigir a cabeça agora do Ministro da Defesa por causa roubo de armas num quartel, ainda antes de realizado o inventário, porque não estava de sentinela, porque não inspeccionou a rede de protecção, porque as leis de programação militar desde os anos oitenta do século passado não contemplam estas atividades, porque, provavelmente, nem sabia da existência dos paióis.

Presumo que os promotores deste tipo de reacção do dispare primeiro e pergunte depois e da chicana partidária de tiro ao alvo e de olhos fechados a cada ministro em cuja área de responsabilidade política ocorra um incidente, proporiam a demissão do ministro da Marinha (Lorde do Almirantado) em Inglaterra após o naufrágio do Titanic!

Na sociedade assim definida por estes pregadores da moral política e da organização das sociedades nada mais há que o Estado e, no Estado, que o governo. Não existem estruturas sociais, nem cidadãos, não há instituições nem organizações. Resta a demagogia e o correspondente populismo que advogam, uma caldeirada que eles mexeriam a seu bel-prazer.

Estou contra esta caldeirada porque ela é uma receita de cariz totalitário. Porque por detrás da aparente defesa da transparência política e responsabilização ministerial está uma ideologia defensora do Estado totalitário. Pois que, se aceito que cada ministro seja responsável por tudo, o reverso da medalha é que também tenho de aceitar que pode tudo! Ora eu não desejo viver num regime em que alguém possa tudo. Logo não posso responsabilizar ninguém por tudo!

Carlos Matos Gomes,  1 Julho 2017

 

A conspiração da TINA

A conspiração da TINA

O atual frenesim político e mediático faz parte de uma conspiração muito mais vasta do que a mera e vulgar agitação paroquial em tempo de festas de Verão. Não há nenhuma inocência na criação deste ambiente de alarme público, de caos que ninguém vê a não ser os jornalistas e comentadeiros com os olhos mais ou menos desorbitados e as vozes mais ou menos embargadas, de políticos que pedem cabeças a rolar.

Basta olhar com alguma serenidade e seriedade para as causas deste alarido. Começa com um incêndio com vítimas mortais, é certo, mas com causas antiquíssimas: mau ordenamento do território, secular ausência de cuidados com a floresta, evolução civilizacional que dispensa a madeira como combustível doméstico, má preparação dos bombeiros, a velha corrupção na compra de equipamentos, caso do sistema de comunicações. É assim há dezenas de anos. A seguir, o desaparecimento muito mal esclarecido de material militar de um paiol na ignota base de Tancos, o pedido de passagem à reserva de dois generais do Exército por motivos onde se cruzam perspectivas de carreira com a invocação de valores. Também há dezenas de anos que jornalistas e cidadãos sem graduação especial entendem o Exército como uma inutilidade dispendiosa, que considera os militares jarrões caros e seres privilegiados. Agora, de repente, pela escrita, pelo som e imagem os meios de comunicação social gritam aos ouvidos dos abismados portugueses, abanam-lhes os esqueletos para os convencerem de que a sua segurança passou a depender dos paióis de Tancos e da abundância de generais!

A estes pífios argumentos para incendiar as más vontades das massas contra o governo e o seu programa, foi adicionado por um invisível magistrado do ministério público, não certamente por acaso, o caso dos bilhetes oferecidos pela GALP a três secretários de Estado. Um coelho tirado a tempo da cartola. Para ajudar ao ambiente de finis patriae, os juízes, esses pilares do regime democrático que passaram incólumes pelos tribunais plenários da Ditadura, declaram uma greve fazendo chantagem com as eleições autárquicas!

Nesta farandola de acontecimentos a fazer de conta que há uma crise, têm-se destacado como pontas de lança os órgãos de comunicação da Impresa (Expresso, SIC). Foram eles que promoveram com todas as trombetas a fake news de uma manifestação de entrega de espadas por militares revoltados com qualquer ofensa aos seus sagrados princípios e valores. A palhaçada dos espadachins desmoronou-se após cumprir o seu dever de agitprop e a SIC espremeu-a até ao tutano, convocando o insólito e até aí secreto promotor. Concede largo tempo de antena a uma figura patética e risível, entre pastor da IURD e bruxo das equipas de futebol, com uma linguagem de quimbanda que lê o futuro nas entranhas das galinhas e fala da instituição militar como um oásis de paz e amor!

Estas manobras não são por acaso e têm uma finalidade para além da animação das romarias de Verão, mais ou menos pimbas. Estão muito para além das falsas animações da silly season. Fazem parte de uma conspiração com o propósito de desacreditar a solução política encontrada em Portugal no ano passado e que tem apresentado melhores resultados que o governo da Tina, do não há alternativa a não ser amouxar às políticas da Troika, o que não sendo difícil é inaceitável.

Esta solução de governo tem de ser combatida pelos grandes poderes porque ela, por pouco sucesso que obtenha, viola o tabu, desafia a verdade revelada, contesta a omnisciência dos patrões do mundo, instaura a dúvida nas soluções que tinham sido erigidas como o princípio e o fim das coisas.

Assim, o que pode parecer um conjunto de acções histéricas e canhestras a cargo da matilha de serviçais do costume, faz parte de uma conspiração real e que deve ser tomada a sério para evitar que o vírus da geringonça se espalhe pela Europa em crise. Estamos numa situação comparável à de 1975, quando Kissinger considerou que o Portugal esquerdista e não alinhado tinha de ser levado às cordas, estrangulado, para se tornar a vacina da Europa. Para isso Kissinger desestabilizou, manipulou, criou crises artificiais, inventonas!

A atual histeria mediática é numa manobra de desestabilização — de orquestra negra — idêntica à de Kissinger e seus aliados nacionais e estrangeirosm que culminou em Novembro de 1975, com as adaptações devidas ao tempo. É como uma conspiração destinada a desestabilizar um governo com uma solução fora das ordens superiores, das sujeições políticas e financeiras que as notícias do incêndio de Pedrogão, dos paióis de Tancos, das demissões dos generais, das entrevistas de um arremedo de Quixote sem graça, das viagens para ver a bola dos secretários de Estado, da greve dos juízes e o seu tratamento devem ser apreciadas.

Só para lembrar, Balsemão, o patrão da Impresa, faz parte do grupo de Bildberbeg, que esteve por detrás da definição das políticas neoliberais sem alternativa que nos trouxeram de 1975 até aqui e das manipulações que as viabilizaram e que até agora apareciam como não tendo alternativa.

Carlos Matos Gomes, 11 de Julho de 2017

A Muralha de Adriano

A Muralha de Adriano

O imperador romano Públio Élio Trajano Adriano (76-138 D.C.) fez construir, entre os anos de 122 e 126, uma muralha, guarnecida de pequenas fortificações, que atravessava a Grã-Bretanha de costa a costa, de forma a conter os povos bárbaros do norte da ilha – os pictos e os escotos, a quem os romanos davam o nome genérico de caledónios.

A Muralha tinha um comprimento de cerca de 80 milhas romanas, o que equivale a cerca de 118 km, uma altura de cerca de 4,5 metros e uma largura de 2,5 metros. Seguia um traçado mais ao sul do que o da atual fronteira Inglaterra-Escócia.

Nada que se compare com a Muralha da China, mas ainda assim imponente. Posteriormente, o imperador Antonino mandou construir outra muralha, mais a norte.

Com a decadência do Império Romano, ambas as muralhas foram desguarnecidas, abandonadas e caíram em ruína, com as pedras a serem aproveitadas para outras construções. O que restava da Muralha de Adriano foi considerado Património Mundial pela Unesco em 1987.

Sic transit gloria mundi, é caso para dizer.

Agora que os muros voltaram a estar na moda, seria bom meditar sobre este exemplo.

Há muros que representam uma viragem na História, tanto pela sua construção, como pela sua destruição. Assim foi com o Muro de Berlim, do qual hoje se disputam pedaços para museus e memoriais; ou com a Muralha da China, tornada atração turística, uma vez que a soberania chinesa se exerce em ambos os seus lados.

Ou seja, mais de que obstáculos perpétuos, passaram a ser símbolos de um passado a que não se quer regressar. Mais tenaz que as pedras é a vontade dos Homens, que tanto pode ser manipulada e escravizada para a construção dos muros, como libertada para a sua destruição – sobretudo quando essa demolição é norteada pela aspiração à Paz, à Democracia e ao salutar convívio entre as gentes.

Mas muros continuam a ser erguidos, sempre com o mesmo propósito: criar um obstáculo entre nós e eles. Não são uma afirmação de força, mas de receio; não são uma demonstração de poder, mas de fraqueza. Adriano considerava que o Império Romano tinha atingido o seu limite, e havia que guardá-lo, e não expandi-lo.

Quando hoje se constroem muros é porque alguém não se julga com meios de conter os outros; o que é uma forma de confessar as suas fraquezas.

Tal não significa permissividade nem desistência na afirmação da soberania; simplesmente, para estancar o fenómeno das migrações, estas têm se ser combatidas na origem. E é aí que pode ser manifestada a força que dá a superioridade moral, económica e até militar, colocada ao serviço da comunidade global.

Quem assistiu, mesmo que com interesse marginal, ao concerto “On Love Manchester”, iniciativa da cantora Ariana Grande, decerto não ficou indiferente. O evento representou regressar ao local do crime, concentrar 50.000 espetadores, mobilizar artistas, para recolher fundos destinados às vítimas; mas também para afirmar em alta voz e tom alegre: estamos aqui! E somos mais do da outra vez!

O povo britânico tem destas coisas. Quando começaram os bombardeamentos de Londres, em 1940, a palavra de ordem de Churchill foi “business as usual”. Evacuaram-se as crianças, os velhos e os doentes, e a vida continuou, apesar de milhares de bombas e milhares de vítimas.

Pois desta vez foi “music as usual”. Alterar o padrão de comportamento dos cidadãos seria dar uma vitória aos autores dos atentados. E os milhares de espetadores que compareceram no estádio mostraram uma coragem tão fria e determinada como a dos seus avós, quando lhes quiseram quebrar a vontade pelo emprego do terror.

Mas houve algo mais de especial. Ariana Grande nem é inglesa – é uma americana da Florida, de origem hispânica. Mas nem as grandes causas têm pátria definida, nem as grandes virtudes são exclusivas de alguma raça em particular.

Ariana ajudou a construir um muro imaterial, invisível, mas tão sólido como uma rocha, com o cimento que aglutina a vontade inquebrantável de defender valores essenciais, sem os quais a nossa sociedade, tal como a entendemos, deixaria de existir.

E um muro imaterial não pode ser demolido.

O Muro de Adriano foi derrubado pelo tempo e pela incúria dos homens; o Muro de Ariana, chamemos-lhe assim, tem a firmeza da Crença e a solidez da Razão.

Nuno Santa Clara

Helmut Kohl

Helmut Kohl
Não é difícil perceber qual a razão de tantos elogios a Kohl. Vêm em grande parte daqueles que querem a todo o custo criar a imagem de Merkel como um novo exemplo do “bom” europeísmo alemão.

Foi extraordinária a unanimidade de elogios a Helmut Kohl na hora da sua morte. O grande europeísta, o pai da nova Europa foi incensado de todas as formas e feitios. Tal unanimidade e tal entusiasmo fazem suspeitar de que há aqui aproveitamento para outros fins.

Por mim, não creio que o nosso país tenha muito para ficar agradecido ao antigo chanceler alemão. Na realidade, Helmut Kohl foi um obreiro da Europa – mas de uma Europa alemã. Foi Kohl que soube aproveitar muito bem a inépcia de François Mitterrand para criar uma moeda única assente em instituições que são réplica das instituições alemãs e que estabeleceram o contexto necessário para que Alemanha ganhasse um peso desmedido nas instituições comunitárias, como de facto aconteceu e de que maneira.

E não esqueçamos o exemplo do reconhecimento, em antecipação, da Croácia, com as consequências que daí advieram, que foi bem um indício de como a Alemanha de Kohl só usaria o seu europeísmo como veículo para o avanço dos interesses germânicos.

Kohl foi sem dúvida um grande chanceler. Mas foi um grande chanceler para a Alemanha e não para a Europa que sofre hoje do legado caótico que a sua acção, mais do que qualquer outra, ajudou a criar.

Não é difícil perceber qual a razão de tantos elogios a Kohl. Vêm em grande parte daqueles que querem a todo o custo criar a imagem de Merkel como um novo exemplo do “bom” europeísmo alemão, tentando fazer esquecer a sua acção desde o início da crise grega e apostando no pseudo-federalismo germânico que está a levar a Europa para o precipício.

João Ferreira do Amaral, 22 de Junho de 2017 em RR

A culpa é do populismo

A culpa é do populismo
A intenção é clara e tem-no sido desde a adesão às comunidades: manter os portugueses distantes dos assuntos europeus e confrontá-los depois com factos consumados.

 

Por notícias de meios de comunicação social estrangeiros ou por documentos e declarações das autoridades europeias e de governos de estados membros, vamo-nos apercebendo que já vai adiantado o processo de reformulação da União Europeia. Como tem sido sempre o caso, os portugueses são mantidos na mais completa ignorância. Mantidos intencionalmente, diga-se.

Qualquer debate sobre o futuro da Europa que vá para além de balofas proclamações federalistas ou de expressão de acrisolados discursos europeístas é rapidamente anulado ou, no mínimo, desvalorizado.

A intenção é clara e tem-no sido desde a adesão às comunidades: manter os portugueses distantes dos assuntos europeus e confrontá-los depois com factos consumados. As elites europeístas portuguesas nas negociações da União sempre acharam que o perigo poderia vir da reivindicação dos portugueses e não da subordinação aos interesses dos outros estados, que nunca lhes fez engulhos – desde que em compensação o país ganhasse mais umas migalhas de fundos estruturais.

Se não fosse assim não se compreenderia a permanente menorização das questões comunitárias e as múltiplas fantochadas que foram encenadas para evitar um referendo sobre temas europeus.

Assistimos, desta forma, a situações verdadeiramente grotescas de sem-vergonha como as de personagens que pugnaram pela aceitação de tratados e de acordos virem depois, sem pedirem desculpa ao país, criticar esses acordos e tratados quando os seus efeitos lesivos se fazem sentir. Foi o caso da moeda única, do Tratado de Lisboa, do Tratado Orçamental, da União Bancária, etc.

Pelo vistos é esse o caminho que se quer continuar a trilhar.

Até um dia… E depois a culpa será do populismo.

João Ferreira do Amaral, 9 de Junho de 2017 in RR

Não ter onde cair morto

Não ter onde cair morto

A notícia de que a família Espírito Santo não tinha um único bem em seu nome elucidou-me sobre o tipo de sociedade em que vivemos, aonde chegámos. Juristas meus amigos garantiram-me que é perfeitamente legal um cidadão, ou cidadã, ou uma família não ter qualquer bem em nome próprio. Nunca tinha colocado a questão da ausência de bens no quadro da legalidade, mas no da necessidade. Acreditava que pessoas caídas na situação de sem-abrigo, refugiados, minorias étnicas não enquadradas como algumas comunidades ciganas podiam não ter nada em seu nome, mas até já ouvira falar no direito a todos os cidadãos possuírem uma conta bancária, um registo de bens, nem que fosse para prever uma melhoria de situação no futuro. Considerava um ato de reconhecimento da cidadania ter em seu nome o que pelo esforço, ou por herança era seu. Chama-se a isso “património”, que tem a mesma origem de pai e de pátria, aquilo que recebemos dos nossos antecessores e que faz parte dos bens que constituem a entidade onde existimos.

Estes conceitos não valem para os Espírito Santo, para estes agora desmascarados e para os da sua extracção que continuam a não ter bens em seu nome, mas têm o nome em tantos bens, em paredes inteiras, em tectos de edifícios, em frontarias, em supermercados, em rótulos de bebidas.

O caso da ausência de bens dos Espírito Santo trouxe à evidência o que o senso comum nos diz dos ricos e poderosos: vivem sobre a desgraça alheia. Até lhe espremem a miséria absoluta de nada possuírem. Exploram-na.No caso, aproveitam a evidência de que quem nada possui com nada poder contribuir para a sociedade para, tudo tendo, se eximirem a participar no esforço comum dos concidadãos. Tudo dentro da legalidade e da chulice, em bom português.

Imagino com facilidade um dos seus advogados e corifeus, um Proença de Carvalho, por exemplo, a bramar contra a injustiça, contra o atentado às liberdades fundamentais dos pobres a nada terem, à violência socializante e colectivista que seria obrigar alguém a declarar bens que utiliza para habitar, para se movimentar por terra, mar e ar, para viver, em suma. Diria: todos somos iguais perante a lei, todos podemos não ter nada, o nada ter é um direito fundamental. Para ter, é preciso querer, e os Espírito Santo não querem ter, querem o direito de usar sem pagar. O mesmo direito do invasor, do predador.

A legalidade do não registo de bens em nome próprio para se eximir ao pagamento de impostos e fugir às responsabilidades perante a justiça é um exemplo da perversidade do sistema judicial e da sua natureza classista. Esta norma legal destina-se a proteger ricos e poderosos. Quem a fez e a mantém sabe a quem serve.Os Espírito Santo não são gente, são empresas, são registos de conservatória, são sociedades anónimas, são offshores com fato e gravata que recebem rendas e dividendos, que pagam almoços e jantares. Não são cidadãos. As cuecas de Ricardo Espírito Santo não são dele, são de uma SA com sede no Panamá, ou no Luxemburgo. A lingerie da madame Espírito Santo é propriedade de um fundo de investimento de Singapura, presumo porque não sou o contabilista. Mas a ausência de bens registados pelos Espírito Santos em seu nome diz também sobre a sua personalidade e o seu carácter. A opção de se eximirem a compartilhar com os restantes portugueses os custos de aqui habitar levanta interrogações delicadas: Serão portugueses? Terão alguma raiz na História comum do povo que aqui vive? Merecem algum respeito e protecção deste Estado que nós sustentamos e que alguns até defenderam e defendem com a vida?

Ao declararem que nada possuem, os Espírito Santo assumem que não têm, além de vergonha, onde cair mortos!

O ridículo a que os Espírito Santo se sujeitam com a declaração de nada a declarar com que passam as fronteiras e alfândegas faz deles uns tipos que não têm onde cair mortos, uns párias.

A declaração de “nada a declarar” em meu nome, nem da minha esposa, filhinhos e restante família dos Espírito Santo, os Donos Disto Tudo, também nos elucida a propósito do pindérico capitalismo nacional: Os Donos Disto Tudo não têm onde cair mortos! O capitalismo em Portugal não tem onde cair morto!

Resta ir perguntar pelas declarações de bens dos Amorins, o mais rico dos donos disto, do senhor do Pingo Doce, do engenheiro Belmiro, dos senhores Mellos da antiga Cuf, dos senhores Violas, dos Motas da Engil e do senhor José Guilherme da Amadora para nos certificarmos se o capitalismo nacional se resume a uma colecção de sem abrigo que não têm onde cair mortos! É que,se assim for, os capitalistas portugueses, não só fazem o que é costume: explorar os pobres portugueses, como os envergonham.

Os ricos, antigamente, mandavam construir jazigos que pareciam basílicas para terem onde cair depois de mortos – basta dar uma volta pelos cemitérios das cidades e vilas. Os ricos de hoje alugam um talhão ao ano em nome de uma sociedade anónima!Os Espírito Santo, nem têm um jazigo de família!

Eu, perante a evidência da miséria, se fosse ao senhor presidente da República, num intervalo da hibernação em Belém, declarava o território nacional como uma zona de refúgio de sem-abrigo, uma vala comum e acrescentava a legenda na bandeira Nacional: “Ditosa Pátria que tais filhos tem sem nada!”

Carlos Matos Gomes

Poder local: A reforma urgente

Poder local: A reforma urgente

(Professor Doutor Paulo Morais)
Comunicação na Conferência
“Áreas e Sectores da Vida Nacional” – Exploração e integração dos “Saberes de Experiência Feita”
em 
12 de Abril de 2017 na Fundação Calouste Gulbenkian

 

A necessidade de enriquecer o espaço público – Professor Doutor Paulo Morais

A importância do poder local na vida das pessoas – Professor Doutor Paulo Morais

O urbanismo é a maior fonte de corrupção em Portugal – Professor Doutor Paulo Morais

Corrupção no urbanismo em Portugal só é equivalente à do tráfico de droga – Doutor Paulo Morais

Consequências mais de 1,500,000 casas vazias em Portugal – Professor Doutor Paulo Morais

Consequências peritos avaliam 17 m2 de terreno em 2,1 milhões de euros – Doutor Paulo Morais

Consequências uma gigantesca bolha imobiliária em Portugal – Professor Doutor Paulo Morais

As vigarices urbanísticas e os benefícios dos infractores – Professor Doutor Paulo Morais

Então em Portugal não há leis para punir os criminosos? – Professor Doutor Paulo Morais

Empregos para os “rapazes” dos partidos – Professor Doutor Paulo Morais

A ruinosa privatização da água em Portugal – Professor Doutor Paulo Morais

Uma política tomada pela corrupção – Professor Doutor Paulo Morais

As razões ocultas da recapitalização Caixa Geral de Depósitos – Professor Doutor Paulo Morais